Gémeas até no correr

Tempo de leitura
2 minutos

Gémeas até no correr

Janeiro 14, 2016 - 13:02
Publicado em:

Angelina e Rosa Amélia são gémeas e há dois anos que correm. Em comum muitas coisas a que se junta o facto de, aos 51 anos de idade, não falharem um pódio.

Á reportagem do Atletas.net as gémeas Angelina (de camisola rosa) e Rosa Amélia (de camisola preta) apresentaram-se de roupa formal, entre uma pausa das aulas que dão numa escola próxima. Vivem em Esmoriz e as gentes da terra conhecem-nas bem, elas que foram campeãs nacionais de voleibol pelo Esmoriz Ginásio Clube por diversas vezes, tendo chegado mesmo a representar a seleção nacional, algo de que falam com orgulho evidente.

 

Uma rápida ida a casa e voltam equipadas a rigor para a reportagem que estranham de início, até porque a corrida é coisa recente para as gémeas de Esmoriz: «Andamos no Ginásio X5 e fomos desafiadas para começar a fazer uns treinos de corrida, isto há uns dois anos. E como sempre estivemos ligadas ao desporto acabámos por aceitar o desafio ao ponto de nos termos conseguido estar ambas nos pódios das poucas provas em que participamos» - diz uma das gémeas, que lembra o passado desportivo das irmãs: «Fomos jogadoras de voleibol e com a idade sentimos o desgaste do corpo, sobretudo nas articulações, consequência da intensidade dos treinos de um desporto, a esse nível, muito exigente» - diz uma - para outra, logo de seguida, acrescentar: «Não treinamos todos os dias mas se for preciso lá estamos».

 

O desporto é uma grande escola de vida

Professoras de profissão, ambas da disciplina da fisico-química, levam o tema do desporto para a aulas como exemplo a seguir: «A determinação, o sacríficio, a persistência é algo que nos acompanha ao longo da vida. O desporto ensina-nos essas competência e com frequência damos esse exemplo aos nossos alunos, É sem dúvida uma grande escola de vida» - diz Rosa Amélia, que lembra a primeira São Silvestre de Espinho como a prova que mais a marcou: «Nessa prova não fiquei particularmente bem classificada, mas seis meses antes havia tirado a tiróide e conseguir completar a prova em pouco mais de 46 minutos foi uma vitória muito grande e que não vou esquecer» - admite.

 

Rapidamente percebe-se o espírito competitivo das duas irmãs que não treinam só por treinar. Gostam de definir objetivos e só então é que se lançam aos treinos, num espírito do tipo "antes quebrar que torcer". E nem foi preciso perguntar para se saber o que lhes vai na mente: «O dia 24 de abril é a data do nosso aniversário, que coincide com a Corrida Popular de Esmoriz e vamos querer estar em forma na altura» - dizem quase em uníssono, sabendo da responsabilidade pessoal acrescida que é correr na terra que escolheram para viver e onde são acarinhadas: «Quando saímos à rua para treinar é bom de ver pessoas mais idosas a apoiarem-nos» - diz Angelina, que uma vez mais se volta para a São Silvestre de Espinho, a prova ali ao lado: «Os nossos alunos do agrupamento, dos mais novos aos mais velhos estavam lá todos para nos apoiar e foi muito gratificante».

 

(vídeo brevemente)

Próximo artigo