on 27 Jun 2019 7:20 PM

Bruno Gaspar, do Atlético Clube Vermoil inscreveu o seu nome na lista da ainda recente Corrida Monte Real, depois de no ano passado, na edição inaugural, a vitória ter pertencido a outro Bruno, mas Paixão de apelido.

Bruno Gaspar concluiu os 10 quilómetros da prova em 33:28 minutos, uma vantagem de cerca de 30 segundos em relação ao segundo classificado, André Reis da Juventude Vidigalense. Os dois protagonizaram um duelo na primeira parte do trajeto com Bruno Gaspar a tomar a dianteira aos cerca de cinco quilómetros da prova e entrar na Porta D´Armas da Base Aérea de Monte Real na liderança, posição que manteve até final, com a meta instalada próximo do centro da vila de Monte Real.

Em femininos, depois da vitória de Carla Martinho em 2018, foi a vez de outra atleta do Recreio de Águeda selar a vitória na prova. Alexandra Oliveira não teve dificuldades de maior para levar de vencida a concorrência, ao estabelecer a marca de 38:31 num percurso aferido pela Federação Portuguesa de Atletismo, mas ainda assim de dificuldade acrescida, pelas subidas que apresenta na primeira parte do trajeto.

Entrada na Base Aérea é a grande atração

A entrada na Base Aérea nº 5 é a grande atração da Corrida Monte Real, que assim permite a passagem pouco habitual de civis numa zona militar de alta segurança onde estão os caças F16, as mais rápidas aeronaves ao serviço da Força Aérea Portuguesa. De resto o slogan e a comunicação do evento reflete essa máxima: “Corre onde os caças voam” foi o pretexto para chamar os cerca de 800 participantes, distribuídos entre corrida e caminhada, que deram um colorido diferente à Vila de Monte Real e à sua Base Aérea que comemora os 60 anos da sua existência.

A novidade dos porcos no espeto

A novidade desta segunda edição da Corrida Monte Real aconteceu no final, no parque da vila, com o convívio entre todos os participantes que usufruíram da oferta de sandes de porco no espeto, uma forma encontrada pela organização de trazer animação acrescida à cerimónia de entrega de prémios que decorreu com a oferta de generosos medalhões para cada um dos três primeiros classificados de cada escalão, com Filipe Tomás a receber um aplauso especial pelo facto de aos 75 anos de idade ter sido o atleta com mais idade a concluir a prova de 10 km.

Especial foi também a presença de Paulinho, campeão e recordista do mundo de Síndrome de Down que correu os 10 km da Corrida Monte Real em 1:01:37, um tempo aceitável dada o perfil de altimetria do percurso e por isso longe dos 52:13 minutos com que o atleta de Ílhavo estabeleceu na Costa Nova, em 2015, o recorde do mundo dos 10 km Síndrome de Down.

A Corrida Monte Real é uma organização do Atletas.net e da Câmara Municipal de Leiria, com a colaboração da Associação Turismo Monte Real e da Base Aérea nº5 e surgiu na sequência da preocupação da autarquia em descentralizar a realização de eventos desportivos ao mesmo tempo que contribui para a valorização da vila de Monte Real apostada em criar e manter eventos que possam dinamizar o turismo local, uma das principais atividades daquela freguesia cujas origens remontam ao século XXII e que no reinado de D. Dinis serviu de quartel-general da gigantesca empreitada que foi a plantação do Pinhal de Leiria.